02/05/2018
por Letícia Carvalho e Gabriel Luiz

Concurso CLDF: Câmara Legislativa define banca para prova de 2018

A Fundação Carlos Chagas (FCC) será a organizadora do concurso de 2018 da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). A decisão foi tomada por unanimidade pelos integrantes da Mesa Diretora da Casa na manhã desta quarta-feira (2).

O edital do concurso sairá em cerca de 30 dias, mas a posse dos aprovados ficará apenas para 2019, pois 2018 é ano eleitoral. Os estudantes vão concorrer a 86 vagas.

O salário base para um técnico da Câmara Legislativa é de 11.182,69. Para as funções de consultor, o rendimento começa em R$ 16.673,35.

A FCC venceu quatro concorrentes – Instituto AOCP, Cebraspe, Idib e Funrio. A decisão cumpriu a tendência apontada por documento publicado em março no Diário Oficial do DF, quando a FCC se classificou em primeiro lugar, com a maior nota entre as bancas.

Taxas de inscrição para o concurso da CLDF:
Técnico legislativo: R$ 54
Policial legislativo: R$ 54
Consutor legislativo: R$ 78
Consultor técnico-legislativo: R$ 78
Inspetor de polícia: R$ 78
Procurador legislativo: R$ 78

Segundo explicou o consultor legislativo e membro da comissão do concurso Josué Alves da Silva, após o Tribunal de Contas do DF ter suspendido o edital em novembro de 2017, foi anexado ao projeto básico um documento com critérios objetivos para a escolha da banca.

Desta forma, as concorrentes deveriam atender três requisitos: experiência, capacidade técnica e infraestrutura de logística. Se atingissem nota máxima em cada item, acumulariam, ao todo, 190 pontos. Veja abaixo a pontuação de cada banca:

Fundação Carlos Chagas: 106,3 pontos
Instituto AOCP: 60,9 pontos
Cebraspe: 53,7 pontos
Idib: 19,7 pontos
Funrio: 13,7 pontos

O relatório com a pontuação e as documentações enviadas pelas bancas ficou pronto em 13 de abril. Três dias depois, o processo foi remetido ao gabinete da Mesa Diretora da CLDF, mas a decisão final só saiu em maio.

Com a escolha, a FCC volta ao comando do certame. Isso porque a fundação seria a responsável pelo concurso antes da intervenção do Tribunal de Contas. Quando o edital para o preenchimento de 86 vagas foi publicado no Diário Oficial do DF, em agosto de 2018, anunciaram que a instituição realizaria a prova.

No entanto, o tribunal acatou a recomendação do Ministério Público, que apresentou mais de 10 indícios de irregularidades na celebração de contrato com a Fundação Carlos Chagas. Por isso, o certame ficou suspenso por mais de quatro meses.



O que achou desta notícia?


Palavra do Aluno

"Percebi que o IGEPP não mede esforços para oferecer um bom ensino. O corpo docente é muito bom! Tive aula com os melhores professores de cada tema, muitos vieram de outros estados. As matérias são bem divididas e temos apoio on-line. Além disso, a parte administrativa do IGEPP é muito boa. Quando o tempo é curto, uma boa organização no curso é fundamental."

Utilizou a Pós para melhor colocação profissional na empresa que trabalha.

Bruno Varjão

"Eu não era servidor público antes de estudar no IGEPP. Depois de dois anos de estudos, tomei posse na Agência Espacial Brasileira, estou aguardando ser chamado para o MPOG e para  Auditor de Controle Interno do Distrito Federal.

Aprovado para a Agência Espacial Brasileira, MPOG e Auditor de Controle Interno do DF.

Rafael Duarte de Paula Silva

"Eu já era servidora pública e com o conteúdo ministrado na Pós em Gestão Pública do IGEPP, consegui outra aprovação: no primeiro concurso para Gestor de São Paulo. Na minha opinião, essa é a melhor instituição do mercado que prepara as carreiras de Gestão."

Aprovada para APPGG/ SP - 2015 (Analista de Políticas Públicas e Gestão Governamental de São Paulo).

Ellen Carolina Bandeira

"Cursar a Pós em Gestão Pública no IGEPP foi uma oportunidade de conhecer melhor a Administração Pública Federal. Com o amplo conhecimento e embasamento teórico conquistados, pude aplicá-los na rotina do órgão público onde trabalho."

Cursou a Pós em Gestão Pública para aplicar os conhecimentos no órgão público que trabalha: Ministério da Justiça. Aguarda sair o edital de Gestor Público Federal. 

José Albuquerque Nogueira

"Estudei no IGEPP, fui aprovada para Analista de Políticas Sociais e fiquei encantada com o nível dos professores e a proximidade da Secretaria Acadêmica com os alunos. Resolvi cursar a Pós em Gestão Pública, que me ajudou tanto em passar em outros concursos públicos, como também na seleção interna do órgão que eu trabalhava. Logo após o fim das aulas, saiu o edital para Analista de Gestão Pública do MPU, consegui aprovação e é o cargo que ocupo hoje."

Aprovada para Analista de Gestão Pública do MPU/ 2013 e para Gestor Público Federal (Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do MPOG)/ 2013.

Cecília Lamounier

A preparação oferecida pelo IGEPP é de fato diferenciada, sendo de grande relevância para candidatos que estão em estágio mais avançado nos estudos e na experiência em concursos, o que se percebe inclusive pelo nível dos alunos que a escola atrai.

Airton Luciano Aragão Júnior

A INSTITUIÇÃO    |    CURSOS    |    PROFESSORES    |    EVENTOS    |    NOTÍCIAS    |    CONTATO
IGEPP 2020 © | Política de Privacidade